Ultrassonografia pélvica » Dr. Alexandre Lobel Ultrassonografia pélvica » Dr. Alexandre Lobel
Dr. Alexandre Lobel
Dr. Alexandre Lobel

Ultrassonografia pélvica

por Alexandre Lobel

A ultrassonografia pélvica é um exame não invasivo que possibilita a visualização dos órgãos localizados na cavidade pélvica e, assim, o diagnóstico de diversas patologias femininas. Ao mesmo tempo, é utilizada para acompanhar o desenvolvimento dos folículos nos tratamentos de reprodução assistida e a evolução da gestação e do feto na área obstétrica.

O exame é realizado por diferentes técnicas com o auxílio de um transdutor: aparelho que emite ondas sonoras transformando-as em imagens, em tempo real, transmitidas por um monitor e posteriormente gravadas em diferentes mídias.

Este artigo explica o funcionamento da ultrassonografia pélvica, destacando os métodos e as principais condições ginecológicas diagnosticas pelo exame.

Como a ultrassonografia pélvica funciona?

A ultrassonografia pélvica possibilita a visualização do útero, colo uterino, vagina, tubas uterinas e ovários, assim como avalia o trato urinário e órgãos da cavidade abdominal, entre eles fígado, vesícula ou rins.

É realizada para o diagnóstico ou acompanhamento de tratamentos por duas diferentes técnicas: transvaginal, pela vagina, e abdominal ou suprapúbica, pelo abdome, sem necessidade de sedação ou uso de anestesia.

Na ultrassonografia transvaginal, a bexiga deve ser esvaziada antes do procedimento, enquanto na abdominal ou suprapúbica, por outro lado, as pacientes são orientadas a ingerir entre quatro e seis copos de água uma hora antes para facilitar a obtenção de imagens. A bexiga pode apenas ser esvaziada após a realização do exame.

A ultrassonografia transvaginal é realizada com a mulher em posição ginecológica. O transdutor é coberto por um gel condutor – para eliminar o ar e possibilitar melhor condução das ondas sonoras – e por uma proteção de látex ou plástico lubrificada. Posteriormente é inserido pela vagina. O aparelho é girado e inclinado suavemente para estudar as áreas e pode provocar pressão quando é movido, causando um desconforto leve.

Já a ultrassonografia abdominal ou suprapúbica é realizada pelo abdome, com a paciente deitada em uma maca. O gel condutor é colocado entre a pele e o transdutor, nesse caso posicionado sobre a região. Durante o exame, o aparelho é pressionado contra a pele e suavemente movimentado pela área a ser estudada.

Os dois procedimentos podem durar entre 5 minutos e uma hora, de acordo com a indicação. Em alguns casos, podem ser utilizadas as duas técnicas.

O ultrassom com Doppler, outro tipo, também pode ser indicado se houver suspeita de estreitamento, dilatação ou oclusão de um vaso. Além disso, é importante na área obstétrica, pois permite verificar o fluxo sanguíneo da placenta para o feto e a formação dos órgãos, por exemplo, ao mesmo tempo que acompanha a evolução da gestação e o desenvolvimento do feto.

Quais são as principais condições diagnosticadas pela ultrassonografia pélvica?

A ultrassonografia pélvica pode ser realizada para diagnosticar alterações na estrutura uterina, que podem ser congênitas ou provocadas por diferentes condições, como miomas uterinos, pólipos endometriais e endometriose, por exemplo, cistos ovarianos, dilatação nas tubas uterina (hidrossalpinge) e gravidez ectópica, quando o embrião se implanta em uma das tubas, em vez de se fixar no útero.

O exame possibilita ainda o diagnóstico de inflamações no sistema reprodutor feminino, como ooforite, dos ovários, endometrite, do endométrio, e salpingite, das tubas uterinas; de prolapso uterino, quando os músculos pélvicos não conseguem mais sustentar o útero, levando à perda da mobilidade uterina. Ele pode ser indicado para avaliar irregularidades menstruais, incluindo sangramento após a menopausa e para confirmar ou localizar um dispositivo contraceptivo intrauterino (DIU).

Nos tratamentos de reprodução assistida, é utilizada para o acompanhar o desenvolvimento dos folículos ovarianos e para auxiliar na punção folicular, procedimento em que são coletados os folículos maduros na FIV (fertilização in vitro). A ultrassonografia também é utilizada para acompanhamento do endométrio antes da transferência de um embrião.

Na área obstétrica, possibilita o acompanhamento do desenvolvimento fetal, da mesma forma que permite o diagnóstico de várias condições fetais.

A ultrassonografia pélvica é ainda importante para detectar tumores pélvicos, fornecendo, inclusive, informações como o tamanho e localização. Nesse caso, entretanto, indica apenas a possibilidade de ocorrência e não proporciona um diagnóstico definitivo. A confirmação deve ser feita posteriormente a partir de realização de outros testes.

Ainda que não exista nenhum tipo de risco associado à realização da ultrassonografia pélvica, alguns fatores podem interferir no resultado, entre eles a obesidade grave, o enchimento inadequado da bexiga e o excesso de gases intestinais.

Para evitar a formação de gases e contribuir para a obtenção de melhores imagens, dependendo do tipo de investigação, pode ser prescrito um laxante no dia anterior à realização do exame.

Gostou? Compartilhe essa página:

Deixe aqui o seu comentário: