TESE e Micro-TESE » Dr. Alexandre Lobel TESE e Micro-TESE » Dr. Alexandre Lobel
Dr. Alexandre Lobel
Dr. Alexandre Lobel

TESE e Micro-TESE

por Alexandre Lobel

TESE e Micro-TESE são técnicas que possibilitam a recuperação de espermatozoides dos testículos, importantes para homens diagnosticados com azoospermia não obstrutiva, ou seja, quando a ausência de espermatozoides no sêmen é provocada pela diminuição ou interrupção na produção dos espermatozoides.

A azoospermia é considerada uma das principais causas de infertilidade masculina e afeta um percentual bastante expressivo de homens. Pode ser obstrutiva, quando uma obstrução inibe o transporte dos gametas masculinos, ou não obstrutiva. Na azoospermia obstrutiva, a recuperação é feita pelo epidídimo, com a utilização de outras duas técnicas, PESA e MESA.

Os espermatozoides são recuperados a partir do tratamento por FIV (fertilização in vitro) com injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI).

Este texto explica o funcionamento de TESE e Micro-TESE, destacando as causas que provocam a azoospermia não obstrutiva.

Entenda como é realizada a recuperação de espermatozoides por TESE e Micro-TESE e conheça as causas de azoospermia obstrutiva

A produção de espermatozoide ocorre nos túbulos seminíferos, localizados nos testículos, e ocorre por toda a vida do homem. Diferentes causas, no entanto, podem provocar a diminuição ou interrupção do processo, resultando em azoospermia não obstrutiva.

Esse tipo de azoospermia é subdivido em pré-testicular e testicular. Cada causa leva ao desenvolvimento de um subtipo.

Bastante rara, na azoospermia pré-testicular, ainda que os testículos sejam normais, eles não produzem espermatozoides. A alteração é causada principalmente pela deficiência de hormônios sexuais, estimulada por distúrbios genéticos ou pelo uso de medicamentos para o tratamento de câncer.

Já na azoospermia testicular, são danos testiculares que comprometem a produção. As causas variam de lesões e doenças, como diabetes, cirrose, insuficiência renal, caxumba e varicocele, a inflamações que afetam o sistema reprodutivo, incluindo orquite, epididimite e prostatite.

O processo inflamatório geralmente é causado por bactérias, entre elas as sexualmente transmissíveis, como Chlamydia trachomatis e Neisseria gonorrhoeae.

Veja como TESE e Micro-TESE possibilitam a recuperação de espermatozoides dos testículos:

Técnica TESE

Um método cirúrgico aberto, a TESE, testicular sperm extraction ou extração de espermatozoides dos testículos, recupera os gametas masculinos a partir de uma biópsia do tecido testicular.

O procedimento geralmente é realizado na própria clínica de reprodução assistida e prevê o uso de anestesia local. A partir de uma incisão na testicular, os testículos são expostos e são coletados fragmentos dos túbulos seminíferos. A coleta é feita a olho nu e os fragmentos são analisados ainda durante o procedimento.

Quando não há uma quantidade suficiente, o processo pode ser repetido no mesmo testículo ou no outro, até que seja recuperado um número adequado de espermatozoides para a fecundação por ICSI.

Após a recuperação, os testículos são recolados na bolsa e as camadas que foram abertas, suturadas.

Técnica Micro-TESE

A Micro-TESE, microsurgical testicular sperm extraction ou extração de espermatozoides testicular microcirúrgica, é semelhante à TESE. No entanto, em vez de ser realizado a olho nu, o procedimento utiliza um microscópio que permite ampliar a visualização dos túbulos seminíferos e indicar os que contêm mais espermatozoides, para que sejam seletivamente extraídos.

Minimamente invasivo, o procedimento pode ser realizado em ambiente hospitalar ou na própria clínica de reprodução assistida, no entanto, requer o uso de anestesia geral.

Por proporcionar a coleta de uma quantidade maior de espermatozoides com danos testiculares pequenos, é o principal método adotado para recuperação de espermatozoides em homens com azoospermia não obstrutiva.

Os espermatozoides coletados são submetidos ao preparo seminal, técnica complementar à FIV, que possibilita a seleção dos gametas com melhor motilidade e morfologia para a fecundação.

Os espermatozoides selecionados são utilizados para a fecundação dos óvulos em um procedimento de FIV por ICSI, que mesmo com um número baixo de gametas oferece altas taxas de sucesso.

A FIV com ICSI revolucionou os tratamentos de infertilidade por fatores masculinos mais graves, incluindo azoospermia, assim como contribuiu para aumentar os índices de sucesso gestacional proporcionados pela FIV.

Gostou? Compartilhe essa página:

Deixe aqui o seu comentário: