O que é anovulação? » Dr. Alexandre Lobel O que é anovulação? » Dr. Alexandre Lobel
Dr. Alexandre Lobel
Dr. Alexandre Lobel

O que é anovulação?

por Alexandre Lobel

O sangramento vem todo mês, mas mesmo assim muitas mulheres não conhecem seu ciclo menstrual. O ciclo menstrual da mulher envolve diversos aspectos e alterações podem afetar diretamente a vida, saúde e a fertilidade. A anovulação (ausência de ovulação) é uma delas, condição provocada geralmente por distúrbios hormonais, como a SOP (síndrome dos ovários policísticos).

Dou atenção especial a mulheres com distúrbios de ovulação porque esse é um fator grave de infertilidade e requer uma investigação detalhada. No entanto, existem tratamentos e a mulher assim pode conseguir engravidar.

Você já conhece esse assunto? Então confira nosso post sobre o que é anovulação!

Anovulação

Durante o ciclo menstrual, um óvulo é liberado. Caso a mulher não engravide durante esse período, a menstruação ocorre, produto da descamação do endométrio, camada interna do útero em que o embrião se fixa. Normalmente, o ciclo menstrual de uma mulher varia entre 21 a 35 dias.

Quando dizemos que a ovulação não ocorreu, isso significa que a mulher não teve a liberação do óvulo, gameta feminino essencial para a gravidez, não sendo possível engravidar durante aquele período. Um ciclo anovulatório é uma das causas mais comuns em mulheres com infertilidade.

Ciclo menstrual e suas fases

O ciclo menstrual possui algumas fases, sendo fundamental para a reprodução humana. Conheça cada uma dessas fases:

Menstruação: nesta fase, os níveis de progesterona e estrogênio estão baixos e ocorre a descamação do tecido endometrial.

Fase folicular: compreende do primeiro dia da menstruação até a ovulação. Nesta fase, acontece a seleção e crescimento de um folículo, estrutura onde o óvulo se localiza dentro do ovário. Esse processo é fundamental para o preparo da ovulação e nessa fase ocorre o aumento do estrogênio.

Ovulação: é a liberação do óvulo em si, fase que pode ocorrer a gravidez. Nessa etapa, há um pico de estrogênio e, em seguida, sua baixa.

Fase lútea: compreende o período entre a ovulação e a menstruação. O corpo se prepara para a gestação. Nessa fase, ocorre a produção da progesterona e, quando a gestação não acontece, a progesterona cai e a mulher inicia novamente seu ciclo menstrual.

Tratamento da anovulação

Como a anovulação possui diversas causas, a mulher precisa de acompanhamento médico para identificar a razão da sua falta de ovulação, e, consequentemente, seguir o tratamento médico indicado.

Além dos tratamentos para cada situação, a reprodução assistida, como a relação sexual programada com estimulação ovariana e a FIV (fertilização in vitro), é um tratamento indicado para a anovulação.

Quais são as causas da anovulação?

Como na maioria das condições de saúde, a anovulação possui diversas causas. É importante conhecê-las para que o tratamento adequado seja realizado, permitindo que a mulher recupere a capacidade de ovular. As principais causas da anovulação:

Obesidade

Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil já possui grande número de obesos. Pelo menos 1 a cada 5 pessoas estão em sobrepeso, considerando a população maior de 18 anos. Além dos diversos problemas de saúde que a obesidade pode resultar, a infertilidade e a anovulação crônica também podem aumentar pelo excesso de peso corporal.

Com níveis elevados de leptina, as mulheres obesas podem ter dificuldade para engravidar, já que esse hormônio está associado à infertilidade.

Além disso, em casos de obesidade associados à Diabetes tipo 2, pode existir a resistência à insulina, resultando em alterações endocrinológicas e também nos hormônios sexuais, o que pode dificultar uma gestação natural.

A obesidade está associada à anovulação e o excesso de peso pode estar relacionado à infertilidade. Nesse caso, o tratamento para a anovulação crônica pode ser a perda de peso, a prática de exercícios físicos, dietas e até cirurgia bariátrica, conforme a avaliação e indicação médica.

Peso muito baixo

Não é somente o sobrepeso e a obesidade que causam problemas e condições desfavoráveis à saúde, mas o peso baixo também. Assim, mulheres que estejam com peso abaixo do normal, segundo o IMC (índice de massa corpórea), podem sofrer com a falta de ovulação e os problemas que isso pode acarretar.

O acompanhamento médico é importante para verificar as razões para o baixo peso corporal, assim como indicar tratamentos, profissionais e dietas que podem ser adequadas para o aumento de peso de forma saudável e a normalização do ciclo menstrual e ovulatório.

Síndrome dos ovários policísticos (SOP)

A SOP é uma das principais causas da ausência de ovulação. Muitas mulheres lidam com essa condição, mas nem chegam a saber disso até os sintomas dessa doença ficarem intensos ou até que problemas para engravidar surjam.

A SOP é um distúrbio endocrinológico, sendo mais comum do que muitas mulheres possam imaginar. A condição é caracterizada pelas alterações de ciclo menstrual, aspecto micropolicístico ao ultrassom e o aumento do hormônio masculinos – como a testosterona.

Com a SOP, a mulher produz testosterona (hiperandrogenismo) acima do normal, o que provoca crescimento de pelos em áreas incomuns pelo corpo, como rosto e até nas costas.

Além de causar esses problemas inconvenientes, a SOP, a longo prazo, pode causar outras doenças, como diabetes e doenças cardiovasculares. A SOP também provoca diversos sintomas e problemas na autoestima da mulher, como:

Prática intensa de exercícios físicos

A prática de exercícios físicos é indicada para melhora da saúde e condicionamento físico, porém em excesso ela pode causar problemas, incluindo a anovulação. Dessa forma, é necessário dosar a quantidade e intensidade de atividades físicas durante a semana, que devem ser sempre acompanhadas por profissionais da área.

Alterações na tireoide: hipotireoidismo ou hipertireoidismo

Outra queixa comum nas mulheres é a alteração na tireoide, como o hipertireoidismo ou o hipotiroidismo. Essas alterações também são causas da anovulação e da infertilidade na mulher.

O hipertireoidismo se caracteriza quando a tireoide produz em excesso os hormônios tireoidianos. Já o hipotiroidismo se caracteriza quando a tireoide não produz de forma suficiente os hormônios.

Hiperprolactinemia

A prolactina é um hormônio produzido pela hipófise e seu excesso pode alterar a liberação dos hormônios FSH e LH, responsáveis pelo crescimento de um folículo e, consequentemente, pela ovulação. Situações que elevem a prolactina, como medicamento e tumores, podem resultar em alterações no ciclo menstrual e na amenorreia.

Gostou de descobrir o que é anovulação? Então confira também nosso texto sobre síndrome dos ovários policísticos (SOP)!

Gostou? Compartilhe essa página:

Deixe aqui o seu comentário: