FIV passo a passo: conheça a técnica » Dr. Alexandre Lobel FIV passo a passo: conheça a técnica » Dr. Alexandre Lobel
Dr. Alexandre Lobel
Dr. Alexandre Lobel

FIV passo a passo: conheça a técnica

por Alexandre Lobel

Desde a primeira vez que participei de um tratamento de FIV, fiquei espantado em como o tratamento funcionava; todos os profissionais trabalhando de forma a ajudar aquele casal a engravidar. As etapas são muitas e para alguns casais isso pode ser muito complexo, por isso decidi escrever esse texto para tentar esclarecer um pouco melhor como funciona a FIV.

O desejo de ter filhos é natural para os casais de maneira geral. No entanto, a tendência de adiar esses planos – sobretudo pela conquista de novos espaços na sociedade pelas mulheres, que muitas vezes preferem deixar para ser mães depois de chegar à estabilidade profissional e financeira – tem levado muitos deles a procurarem técnicas de reprodução assistida.

Hoje existem três métodos disponíveis para os casais que buscam essa opção. O mais simples deles é a relação sexual programada (RSP), também chamada de coito programado. Nessa técnica, o médico acompanha o desenvolvimento dos folículos ovarianos por meio de exames de ultrassom, com o objetivo de indicar ao casal o melhor dia para que eles tenham relações sexuais na tentativa de que a mulher engravide.

Quando a paciente tem ciclos menstruais irregulares, o a RSP pode ser associada a um tratamento de estimulação ovariana, com o uso de medicamentos para estimular o crescimento de ao menos um folículo e induzir a ovulação.

A segunda técnica de reprodução assistida por grau de complexidade é a inseminação intrauterina (IIU), popularmente conhecida como inseminação artificial (IA). A IIU também pode ser realizada com ou sem a estimulação ovariana e sempre conta com o acompanhamento do crescimento folicular por meio de ultrassonografias periódicas.

Nessa técnica, o sêmen do parceiro é colhido e preparado em laboratório, para que os melhores espermatozoides sejam selecionados. Depois desse processo, o sêmen é inserido no útero, horas antes da ovulação, para que a fertilização do óvulo pelo espermatozoide ocorra na tuba uterina.

A técnica de reprodução assistida mais complexa existente hoje, e a que tem maiores taxas de sucesso, é a FIV (fertilização in vitro). Neste artigo vamos falar sobre cada etapa dessa técnica, para você entender a FIV passo a passo. Confira!

Entenda a FIV passo a passo

A FIV é a técnica de reprodução assistida mais complexa, mas também a que tem maiores taxas de sucesso. De acordo com relatório da Rede LARA (Rede Latinoamericana de Reprodução Assistida), a taxa de nascimentos por transferência de embriões nos países latinoamericanos foi de 24,5% em 2016. Entretanto, a taxa de sucesso varia com a idade e fatores de infertilidade. Quer entender como funciona a FIV passo a passo? Então veja as etapas abaixo.

1. Estimulação ovariana com a indução da ovulação

A primeira etapa de uma FIV é a estimulação ovariana. Durante esse tratamento, a mulher administra hormônios, na forma de injeções subcutâneas, para estimular os ovários a produzirem mais óvulos. Todo esse processo é acompanhado por meio de ultrassonografias periódicas. Quando os folículos chegam ao tamanho desejado, a paciente deve aplicar outro tipo de hormônio, que desencadeará a ovulação em cerca de 36 horas.

2. Coleta dos gametas

A partir da aplicação dos hormônios indutores da ovulação, é marcada a punção, para coleta dos óvulos maduros. Para esse procedimento, a paciente é sedada e o médico utiliza uma agulha extrafina para aspirar os folículos. No mesmo dia, o parceiro vai até o laboratório para colher o esperma. Isso é realizado por meio da masturbação ou, se necessário, por um procedimento semelhante à punção ou uma pequena cirurgia para extrair o sêmen dos testículos ou dos epidídimos.

3. Fecundação em laboratório

Depois de coletados os gametas femininos e masculinos, é realizado, em laboratório, o procedimento de fertilização. Isso pode ser feito da forma clássica, em que uma grande quantidade de espermatozoides é colocada junto com o óvulo, ou – como costuma ser o processo padrão – por meio da injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI). Nessa técnica, um espermatozoide é inserido dentro de cada óvulo.

4. Cultivo embrionário

Depois de formados os embriões, eles devem ficar de três a cinco dias em cultivo embrionário, em um ambiente altamente controlado em relação ao pH, à temperatura e outras condições específicas. O tempo de cultivo depende da estratégia médica.

5. Transferência dos embriões

Depois do cultivo, os embriões estão prontos para serem transferidos para o útero na expectativa de se implantarem para iniciar uma gravidez. A quantidade de embriões que pode ser transferida varia de acordo com a idade da mulher, conforme resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM). Se houver embriões sobressalentes após a transferência, eles são criopreservados (congelados).

Técnicas complementares à FIV

De acordo com o caso, podem ser realizadas algumas técnicas complementares à FIV, com o objetivo de melhorar ainda mais as chances de sucesso. Entre elas estão exames genéticos, como o teste de receptividade endometrial (ERA), que busca identificar o melhor momento para o embrião se implantar no útero da paciente, e o teste genético pré-implantacional, que investiga a presença de alterações cromossômicas nos embriões.

Outra técnica possível é o hatching assistido, que consiste em romper ou desgastar a zona pelúcida, membrana que cobre o embrião, para melhorar as chances de implantação. É importante ressaltar que essas técnicas complementares são realizadas apenas em casos específicos, de acordo com a avaliação médica.

Quando a FIV é indicada

A FIV pode ser realizada em diversas situações. Entre as principais estão casais em que a mulher tenha problemas nas trompas que impeçam o encontro do óvulo com o espermatozoide, endometriose severa e baixa reserva ovariana, muitas vezes causada pela idade avançada.

Fatores de infertilidade masculina, como baixa contagem, motilidade ou obstrução na saída dos espermatozoides também podem ser motivo para indicação da técnica. Além disso, a FIV pode ser realizada por casais homoafetivos masculinos ou femininos que queiram ter filhos biológicos.

Neste artigo procuramos esclarecer os principais pontos da FIV passo a passo. Se você ficou com alguma dúvida ou gostaria de compartilhar sua experiência para ajudar outros leitores, deixe seu comentário abaixo!

Gostou? Compartilhe essa página:

Deixe aqui o seu comentário: